Njiqahdda




Njiqahdda é um dos projetos mais instigantes e misteriosos do Black Metal contemporâneo. Aparentemente, foi formado em 2006 por dois irmãos, que se intitulam '/' e '__ ' (ótimos pseudônimos, né?), oriundos das terras estadosunidenses. Lançaram, desde então, 7 full-lengths, 2 EPs, 1 demo e 1 split, através de um pequeno selo chamado EEE, sem contar os trabalhos do alter-ego Njiijn, que, diferente (mas nem tanto) do Njiqahdda, tem a proposta mais calcada no Dark Ambient/Ritual.

Sobre a música do Njiqahdda em si, trata-se de um Black Metal profundamente Atmosférico mas permeado de nuances e tinturas psicodélicas, bebendo, ainda, em fontes como Shoegaze, Noise e Dark Ambient em vários momentos. Sua música é altamente influenciada por temas como a natureza, transcendência, meditação, ancestraldiade, etc. o que faz com que cada uma de suas faixas soem como verdadeiras viagens lisérgicas pelos recantos desconhecidos e enigmáticos da própria mente e do nosso cosmo.

Interessante, ainda, é reparar que tanto o nome da banda quanto o dos álbuns e de suas faixas são escritos numa língua que é uma espécie de amálgama de línguas antigas como o nórdico/escandinavo, junto com grego, árabe e inglês, conferindo um tom ainda mais exótico ao seu trabalho, fato que é ampliado, ainda mais, se levar em conta que a maioria da capa dos álbuns da banda são... coloridos! Isso mesmo, coloridos! Algo raríssimo no Black Metal, deva-se dizer. O que mostra a relação estreita que a banda possui com a natureza e a atitude diferenciada que possuem em relação as demais bandas do meio.

No álbum que vos posto, intitulado Taegnuub - Ishnji Angma, pode-se perceber uma mudança sutil de direcionamento de seu trabalho. As músicas estão mais curtas e mais focadas nos terrenos Black Metal, soando mais diretas e brutais, digamos assim, mas sem desfigurar a identidade de seus antigos trabalhos de forma alguma. Mas, ainda assim, as passagens ambientes e psicodélicas se mostram ainda mais profundas e bem delineadas do que outrora, o que demonstra o quanto o Njiqahdda está evoluindo e se aprofundando em seu próprio microcosmo. É um álbum estranho, de fato, mesmo para aqueles já habituados a esquisitices musicais do gênero, mas não deixa de ser um passeio instigante e catártico, válido de ser ouvido mesmo que só em nível de curiosidade ou de experimentalismo. E ele se torna ainda melhor de se ouvir em noites mais frias e chuvosas, devo dizer. ;)

Enfim, aproveitem-o!


//Deixando aqui mais um trabalho do Njiqahdda realizado em 2009, chamado Yrg Alms. Nele, percebo um direcionamento um pouco mais acessível em relação aos trabalhos antecessores, seguindo uma linha que oscila entre o Black Metal atmosférico, com cheiro de mato à la com Drone/Shoegaze à la WITTR, Nadja, Methadrone & cia. Pelo jeito, o duo engatou uma 7ª marcha e tem produzido álbuns e EP's em ritmo industrial (não exatamente no gênero musical, mas sim a indústria propriamente dita, dik), mostrando que eles parecem estar no ápice criativo, porém, tem se tornado praticamente impossível seguir o que eles fazem, tamanha a velocidade que lançam novos materiais. Como este parece ser o últim o full-length de fato e mostram elementos diferenciados e interessantes em relação ao que tinha deixado aqui, resolvi postá-lo, pronto para a degustação de vossas pessoas. Aproveitem-o bem! ;)


[last.fm] | [myspace]





[2009] Yrg Alms

01 - Ingratuu Maate Lagentii
02 - Sombre Fortu
03 - Saavolungaat
04 - Yrg Alms
05 - Abyssii Iiortuu Liomaatiin


[review in english]



[download]





[2009] Taegnuub - Ishnji Angma

01 - Purnakalamanna
02 - Silvaan Mortaa Esk Aal
03 - Njiuni Elova
04 - 'U Finuug Vraam
05 - Ishnji Angma
06 - Taegnuub
07 - Aski
08 - Nil Fyan Utopiia


[review in english]


[purchase]


[download]

Um comentário:

wrongtshirts disse...

Sensacional!
Já tinha ouvido falar desta banda mas ainda não havia escutado. Agora o erro foi retificado.
Obrigado por postar!